ANUNCIO

ANUNCIO
.

domingo, 16 de julho de 2017

Antônio Gonçalves: Chuva, choro e muita comoção marcaram o último adeus ao agricultor Júnior.


Na manhã deste dia 15, o povoado de Jiboia, no município de Antônio Gonçalves, norte Bahia, entrou para as estatísticas de forma negativa de um país que ainda assassina de forma covarde os que lutam por direitos sociais. Assim, definimos o assassinato brutal de um negro quilombola e membro do MPA (Movimento dos Pequenos Agricultores).

O senhor José Raimundo de Sousa Junior, foi abatido por quatro elementos quando estava na sua roça em companhia de outro companheiro. A motivação do crime se deve certamente ao seu envolvimento na luta por direitos à terra, já que a comunidade vem pleiteando junto ao INCRA o reconhecimento e a desapropriação de terras para a comunidade Quilombola.

Na caminhada fúnebre, até o cemitério, o povo cantava as cantigas das suas lutas e gritavam palavras de ordem pedindo justiça. Já no momento de sepultamento, várias lideranças se manifestaram mostrando indignação e clamando por justiça.

O Deputado Estadual Marcelino Galo esteve presente representando a Comissão de Direitos Humanos da Assembleia Legislativa, e disse que vai fazer todo o empenho junto aos órgãos de investigação e outras entidades parceiras no sentido de elucidar o caso e punir os culpados. Quem também marcou presença foi a ex-assessora da CPT Dr.ª Cecília e hoje prefeita de Itiúba. Cecília foi uma das principais lutadoras e defensoras da Reforma Agrária na Bahia, além de ser uma articuladora de esquerda, é freira licenciada e disse estar indignada com os constantes massacres que vem acontecendo com os trabalhadores brasileiros.

Os membros do MPA, CPT, Sindicatos, associações, CETA, e outros parceiros da luta, fizeram seus protestos através de seus representantes que, em uma só voz, pediam justiça. “O assassinato de Júnior não matou só ele, destruiu toda a família’’. Disse uma senhora em lágrimas.

A chuva molhava a terra do cemitério e um agricultor disse: “Ele gostava tanto da terra, que morreu na roça e na hora de seu enterro está chovendo”. Neste momento foram jogadas muitas sementes criolas no túmulo, já que Júnior, era um defensor incansável das sementes criolas, inclusive fazia parte de projeto de criação de banco de sementes, para contrapor os transgênicos e manter os agricultores com a garantia de uma produção sustentável.

Uma cena desoladora, foi quando o agricultor conhecido como Val deixava o cemitérios com uma pá nas mãos, olhando para o infinito, dizia: “Com esta pá enterrei meu companheiro”. Este, por fim, se dirigiu ao rio que fica próximo, lavou os pés, olhou para uma plantação de milho e depois saiu em choro.

Por Juju Mangabeira DRT 6341

Nenhum comentário: