Postagens Recentes

Jaguarari: Agricultor acusado de matar funcionária pública com requintes de crueldade vai a júri popular


Funcionária pública de 42 anos está desaparecida há 15 dias na Bahia. — Foto: Reprodução/TV São Francisco

Caso ocorreu no município de Jaguarari, localizado na região no norte da Bahia. Corpo da vítima ainda não foi encontrado.

O agricultor JOSÉ RAIMUNDO ALVES DA SILVA vulgo “LOLÔ ou LOLOZINHO”, principal suspeito de ter matado com requintes de crueldade  a funcionária pública, Sirleide de Souza Araújo, de 42 anos, vai ser levado ao júri popular, na próxima quinta-feira, 23, no Fórum de Jaguarari.

De acordo com o delegado Felipe Neri Neto, coordenador da Coorpin/Senhor do Bonfim, as investigações revelaram que, no dia em que a mulher sumiu, José Raimundo foi até uma lan houve de propriedade da vítima no centro de Jaguarari para solicitar serviço de fotocópias. Depois disso, a mulher não foi mais vista.

O aparelho celular e o relógio da vítima, que também desapareceram, foram encontrados depois, conforme a polícia. O relógio estava com um homem, que não teve identidade divulgada. Segundo a polícia, o homem alegou ter recebido o relógio de José Raimundo como forma de quitar uma dívida.


O fato foi registrado no dia 31 de agosto de 2017, por volta das 18:30hs, no povoado de Catuni.

Caso

Familiares de Sirleide registraram o desaparecimento da mulher na delegacia do município, que investiga o sumiço dela.

De acordo com a polícia, a mulher foi vista pela última vez na porta da casa onde mora sozinha, no povoado de Catuní da Estrada, na noite de 31 de agosto. O desaparecimento foi percebido depois que a filha da funcionária pública tentou falar com ela e não conseguiu. A mulher foi até o local e não encontrou a mãe no imóvel.

Conforme a filha da funcionária pública, Alzirene Souza, a casa estava com as portas abertas. Os documentos da mulher foram encontrados dentro do imóvel. Já o celular dela não estava no local.

Segundo Alzirene Souza, o aparelho foi encontrado em um ponto de ônibus da localidade, no dia 2 de setembro. O celular estava sem o cartão de memória e sem o chip de operadora, e foi encaminhado para a Delegacia de Jaguarari.

Nenhum comentário